NO ÚLTIMO UFC® DO ANO NO BRASIL, RYAN BADER NOCAUTEIA ROGÉRIO MINOTOURO

NO ÚLTIMO UFC® DO ANO NO BRASIL, RYAN BADER NOCAUTEIA ROGÉRIO MINOTOURO

Foto: Tuliana Rosa/Primeiro Round

Apesar disso, a torcida brasileira pode comemorar sete vitórias de lutadores do país no UFC® Fight Night: Bader x Minotouro 2, realizado neste sábado, dia 19 de novembro, no Ginásio do Ibirapuera. Próxima edição no Brasil já tem data: 11 de março
 
O último UFC® no Brasil em 2016 garantiu fortes emoções e algumas frustrações para os torcedores que foram ao Ginásio do Ibirapuera neste sábado, dia 19 de novembro. Na luta principal do UFC Fight Night: Bader x Minotouro 2, o brasileiro Rogério Minotouro foi nocauteado pelo americano Ryan Bader no terceiro round. Mas a noite não foi só de derrotas para os brasileiros. Pedro Munhoz, Luis Henrique KLB, Johnny Eduardo, Cezar Mutante, Sergio Moraes, Thomas Almeida e Claudinha Gadelha saíram vencedores de suas lutas. Thomas Almeida, Pedro Munhoz, Cezar Ferreira e Gadzhimurad Antigulo foram premiados pelos seus desempenhos. Cada lutador levará U$ 50 mil para casa. Não houve premiação de luta da noite.
O Ginásio do Ibirapuera recebeu 9.028 pessoas. Durante a coletiva, Joe Carr, vice-presidente internacional do UFC®, confirmou que o próximo evento da organização no Brasil será realizado no dia 11 de março, ainda sem local confirmado.
Confira os que os lutadores do UFC® Fight Night: Bader x Minotouro 2 falaram
sobre suas lutas:
Ryan Bader
 
“Nogueira é sempre um cara duro, estou surpreso como ele foi duro mais uma vez. Eu aprendi a ter paciência, coisa que não tive da última vez que estive no Brasil. Escolhi os golpes certos, seria ótimo conquistar um nocaute, mas eu estava enfrentando  um cara que sabe o que está fazendo e nunca se sabe o que pode acontecer quando se troca em pé. Eu lutei com todo mundo nessa divisão, tenho sido consistente, acho que minha hora chegou.”
Rogério Minotouro
 
“Eu senti que estava em um momento bom, encaixando golpes, mas ele me botou para baixo e a luta começou a mudar. Ele se defendeu muito bem quando eu tentei alguns ataques de jiu-jitsu.”
Thomas Almeida
 
“Entrei calmo, fiz todas as coisas que treinei, não me expus tanto, encaixei meu jogo e voltei pro caminho das vitórias. Cada luta é uma luta, eu quero sempre vencer, quero ser campeão. Foi maravilhoso lutar em casa, com a torcida gritando o meu nome. É sempre uma motivação a mais para lutar e buscar uma vitória depois da outra.”
Claudia Gadelha
“Eu estou feliz pela vitória, mas eu quero mais que isso. Sobre o chute, eu ia chutar o corpo dela, achei que ela fosse levantar e o chute fosse pegar no corpo. Mas ela não levantou e o chute acabou pegando de raspão na cabeça. Se eu tivesse feito de maldade, o chute teria ido em cheio na cabeça. Eu queria deixar claro que foi um acidente. Agora eu quero lutar com a Carla Esparza.”
Cortney Casey 
 
“Ela venceu. E ela chutou a minha cabeça.”
Krzysztof Jotko
 
“Eu imaginei essa luta de forma diferente, imaginei que eu defenderia as tentativas de queda dele e que teríamos uma luta mais em pé. Eu enfrentei um dos melhores lutadores de Jiu-Jitsu e venci, então estou bem feliz. O que vem por ai? Eu acho que gostaria de enfrentar outro brasileiro, o Vitor Belfort.”
Kamaru Usman
“Eu sou um dos melhores lutadores da divisão. As pessoas ainda não tiveram oportunidade de ver porque eu dominei todas as lutas, mas os caras foram duros e resistiram até o final. E foi isso que o Warlley Alves foi hoje. Ele resistiu. Eu quero enfrentar o Demian Maia agora. Grappler contra grappler, eu sou melhor. Ele está aí há muito tempo, mas agora é minha vez. Então é ele que eu quero enfrentar na minha próxima luta.”
Sergio Moraes
 
“Eu perdi o segundo round, mas ganhei os outros dois. Não sei que luta os árbitros viram, mas é isso que acontece quando deixamos na mão deles. Vou treinar muito mais, fazer tudo de novo. Eu gostaria muito de enfrentar um Top 10. UFC, me dá uma oportunidade de lutar com esses caras.”
Zak Ottow
 
“Eu tenho que assistir a luta. Achei que foi uma luta apertada, mas que eu venci. Estava conseguindo golpes mais claros e quando ele me levou pro chão, ele não conectou praticamente nada.”
Cezar Mutante
 
“Foi uma das melhores performances que já tive. Muita coisa aconteceu na minha vida e na minha carreira nos últimos anos, mas nunca revelei porque não queria usar isso como desculpa. Foi difícil voltar a ter confiança depois de algumas derrotas, mas fiz um trabalho excelente com meus treinadores que me transformou em um novo lutador. Eu vou ser campeão, é questão de tempo. É claro que não sou maluco de pedir um número 1 ou 2 do ranking, vou vencer um de cada vez até me tornar o campeão.”
Jack Hermansson
 
“Foi difícil ler o jogo dele. Quando ele me levou pro chão, eu cometi alguns erros grandes. Tentei uma guilhotina que não deveria. Sei o que fiz de errado e farei melhor da próxima vez.”
Marcos Rogério “Pezão”
 
“Eu não esperava ser levado pro chão. Eu não senti muito o peso dele, então fiquei mais tranquilo e não vi ele encaixar a guilhotina. Acabei não me defendendo direito do golpe.“
Gadzhimurad Antigulov 
 
“A luta começou com um ritmo forte e eu logo o levei pro chão, ele deixou o pescoço exposto e eu o finalizei.”
Johnny Eduardo
 
“Eu estava há muito tempo sem lutar, cheguei a pensar em parar, meu meu treinador Dedé Pederneiras sempre dizia que eu tinha talento, que eu tinha que continuar. E o resultado foi esse, prova de que eu ainda posso brigar por aí. Eu só tenho que agradecer ao Manny Gamburyan, ele é um lutador incrível, já enfrentou muita gente dura, já lutou em várias categorias. Foi um prazer lutar com ele. Eu me sinto vivo, me sinto dentro da competição. Eu quero trabalhar, me sinto muito bem.”
Manny Gamburyan
 
Eu estou nessa há muito tempo, passei por momentos duros. Eu sempre pensava ‘essa é a minha última luta, essa é a minha última luta.’ Depois eu mudei de categoria, ficou ainda mais difícil. Tem muitos caras bons ai fora e eu sinto que não consigo mais enfrentá-los de igual pra igual. E se eu não consigo, então não quero mais competir.”
Luis Henrique “KLB”
“Eu vim para essa luta para finalizar. Treinei muitas posições de pescoço, mas a que eu queria fazer eu não consegui. Mas ainda vou mostrar ela aqui dentro no UFC.  Eu não tenho pressa, eu cheguei no UFC muito rápido e o adversário que me derem, eu enfrento, e vou chegando devagar na categoria.”
Pedro Munhoz
 
“A vitória foi sensacional. Não tinham muitos adversários que queriam lutar comigo aqui no Brasil, mas ele topou, e ele é o 12º do ranking, o que torna essa vitória ainda melhor. O UFC é o meu lugar e aqui pretendo permanecer por muito tempo.
Justin Scoggins
“Eu cometi um erro. Agora é hora de trabalhar no jiu-jitsu, na minha defesa no chão, e voltar melhor.”
Francimar Barroso “Bodão”
“Foi desleal. Eu tenho mais de 40 lutas na carreira e nunca dei uma cabeçada em nenhum adversário. Todo mundo viu que ele me deu uma cabeçada. Na hora, eu fiquei um pouco grogue e olhei pro juíz para que ele interompesse a luta. Eu acho isso muito injusto, estou  muito indignado.”
Darren Stewart
“Ele é um cara duro. Ele disse que eu dei uma cabeçada nele, mas se eu fiz, não foi intencional. Todos que me conhecem sabem que nunca fiz isso nas minhas lutas. Mas se eu tivesse dado uma cabeçada nele, ele teria caído imediatamente. Mas ele continou na luta e procurou alguns golpes. De qualquer forma, só quero agradecer ao Brasil por ter me recebido.”
Resultados da noite:
Darren Stewart derrotou Francimar Bodão por nocaute técnico aos 1:54 do R1
Pedro Munhoz derrotou Justin Scoggins por finalização aos 1:55 do R2
Luis Henrique KLB derrotou Christian Colombo por finalização aos 2:12 do R3
Johnny Eduardo derrotou Manny Gamburyan por nocaute técnico aos 0:47 do R2
Gadzhimurad Antigulov derrotou Marcos Pezão por finalização aos 1:07 do R1
Cezar Mutante derrotou Jack Hermansson por finalização aos 2:11 do R2
Sergio Moraes derrotou Zak Ottow por decisão dividida
Kamaru Usman derrotou Warlley Alves por decisão unânime
Krzysztof Jotko derrotou Thales Leites por decisão unânime
Claudia Gadelha derrotou Cortney Casey por decisão unânime
Thomas Almeida derrotou Albert Morales por nocaute técnico aos 1:37 do R2
Ryan Bader derrotou Rogério Minotouro por nocaute técnico aos 3:54 do R3
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Natural de São Paulo, Aline começou a assistir MMA durante o auge do Pride no início de 2000. Em 2012, depois de assistir o UFC 134 no Rio de Janeiro e o UFC 146 em Las Vegas, Aline foi convidada para contar sua experiência à Revista Tatame. E assim começou a sua carreira como colunista, redigindo artigos, realizando entrevistas para veículos nacionais e internacionais.r. É formada em Desenho Industrial pela FAAP e também tem uma empresa de marketing digital.

Notícias relacionadas